Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

cmtv  tvi24  cais  

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

A insustentável utilidade da Linha do Tua

Ir em baixo

A insustentável utilidade da Linha do Tua

Mensagem por Admin em Sab Jul 19, 2014 11:20 am


Há factos indesmentíveis que mostram por que a Linha do Tua é útil e sustentável.

No passado dia 8 de Julho deparei-me com um peculiar artigo de opinião, no Público, da autoria do arquitecto paisagista Henrique Pereira dos Santos. Nele, o colunista classificava a Linha do Tua de “inútil”, “insustentável” e que “não serve ninguém”, no mesmo artigo em que o próprio se considera um leigo em matéria ferroviária, e onde incentiva ao combate aos “preconceitos”, “antes de qualquer discussão de fundo”.

Para além das óbvias contradições explícitas no parágrafo supra, o arquitecto colunista  demonstra uma profunda ignorância sobre o que representa a Linha do Tua.  

À chegada à década de 1990, o movimento diário de mercadorias era de 500 senhas de  despachos até 20 quilos, 30 toneladas de mercadorias diversas e em média cerca de 70 toneladas  de adubo; são cinco camiões TIR num único comboio.

Em termos de passageiros, o brutal  desinvestimento aliado a horários que levavam trabalhadores e estudantes a chegarem depois  da hora de entrada e a partirem muito depois da hora de saída, levou a que numa década o  movimento passasse dos 500 mil para os 200 mil.  

Chegou o IP4, encerrou-se o troço Mirandela-Bragança na Noite do Roubo, alimentaram-se  empresas regionais rodoviárias de passageiros com contratos de prestação de serviços de  substituição do comboio, onde ao passageiro se cobrava a tarifa de comboio, mas à CP se  cobrava tarifa de autocarro (mais cara), negociou-se a venda de parte do material ferroso  passados poucos anos, e a Linha do Tua foi citada em escândalos como o “Carril Dourado” e o  “Face Oculta”, por furto e venda de carris.  

No último Verão de comboios Tua- Mirandela-Tua, em 2008, os 190 lugares disponíveis  esgotaram diversas vezes, logo à partida, com alguns casos de excursões a não poderem  embarcar no Tua. Em 2010, só nos 16 quilómetros de via disponíveis, o movimento foi de 70 mil  passageiros; são 14 vezes mais passageiros em um ano que o aeroporto de Beja em dois, e isto  falando de automotoras com o consumo de um autocarro, mas o dobro da capacidade de  passageiros.

Por fim, 2012 e 2013 foram anos consecutivos com contas a positivo para o  Metropolitano Ligeiro de Mirandela, que é mais do que se pode dizer dos metros de Lisboa ou  Porto, subsidiados pelo Estado.  

Estes são factos indesmentíveis, fruto não de preconceito e falta de conhecimento tácito,  ingredientes basilares do insulto gratuito.

Mas irei plus ultra: em Janeiro de 2013, foi requalificada uma via métrica gaulesa, que liga os  três municípios de Salbris, Romorantin, e Valençai, servindo um total de 25.210 habitantes, com  comboios a 70 km/h. A linha conecta-se com outra que se une em Tours a uma linha de Alta  Velocidade para Paris, e o investimento de 14 milhões de euros foi repartido pelas  correspondentes francesas às nossas CCDR, REFER e municípios. O projecto ganhou um prémio  de Inovação, e outro de Mobilidade.  

No eixo Mirandela-Bragança, a Linha do Tua serve três municípios com 74.967 habitantes, num  traçado para 60 a 70 km/h as it is. De Bragança à Sanábria, uma nova linha de 40 quilómetros ligaria  directamente a Linha do Tua à linha de Alta Velocidade Madrid-Corunha, deixando ambos os extremos a apenas duas horas de Bragança. Com a A4 fortemente portajada, um ano laboral de  deslocações entre Mirandela e Bragança ficará entre 2500 a 3000 euros mais caro do que indo  de comboio, comprando um passe.

Não compreendo que fontes o arquitecto colunista consultou – se consultou – antes de  classificar de forma tão leviana a Linha do Tua. As mesmas fontes que eu, certamente não foram. 

Daniel Conde é membro do Movimento Cívico pela Linha do Tua

DANIEL CONDE 19/07/2014 - 09:55
Público

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 31
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.forumotion.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum