Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

cmtv  cais  tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031     

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
2 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 2 Visitantes

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

O Porto de Sines, um sinal de futuro

Ir em baixo

O Porto de Sines, um sinal de futuro

Mensagem por Admin em Seg Jan 06, 2014 2:14 pm

Não faltam oportunidade para um projecto que tem sido considerado de sucesso em Portugal. Mas manter o rumo implica muito trabalho.



O Porto de Sines tomou, decisivamente, um lugar de destaque em tudo o que é noticiário do país e não há responsável que a ele não se refira, mesmo que por vezes não saiba bem sobre o que discorre. Tudo é amalgamado nessa âncora da nossa esperança e na evidência desse caso de sucesso. Não importa distinguir se falamos do Porto de Sines, da APS – Administração do Porto de Sines ou do Terminal de Contentores de Sines (Terminal XXI). Embora sejam realidades diferentes, apenas resulta da alusão feita, uma única palavra: sucesso. E mais que isso, o rumo que nos leva ao bom caminho da afirmação de Portugal no mundo. Um Portugal que quer retornar ao mar e nele vê o seu mais importante desígnio.

Como sempre, os discursos de circunstância são dominados pela superficialidade, procurando enquadrarem-se no que importa dizer no momento. E o momento agora é da grande oportunidade criada pelo alargamento do Canal do Panamá, que irá provocar um aumento quase exponencial (o que se entende das palavras dos governantes) da carga contentorizada movimentada no Terminal XXI. Quem nos dera, assim o mundo não fosse redondo e fosse estático nessa posição geoestratégica e obrigasse os navios e as suas cargas a passar por este local e, mais do que isso, a movimentarem essas cargas no Terminal de Contentores de Sines.

Só que, sendo uma real oportunidade, há muito trabalho a fazer, desde logo melhorar a competitividade associada a este tráfego, que será essencialmente de transhipment, permanecendo atentos ao que se passa noutros terminais congéneres já existentes (Valência, Algeciras, Tânger, Felixstowe…) ou anunciados (Praia da Vitória/Açores,…). Também de águas profundas, capazes de receber navios de última geração, nomeadamente os chamados Triple-E, com capacidade de 18.000 TEU’s.

Se é certo que Sines conta com o maior operador mundial, a PSA Corporation ltd, como concessionário, e é escalado pelo segundo maior armador mundial, a MSC – Mediterranean Shipping Company, não será de somenos recomendável que consiga o concurso de outras linhas de navegação numa estratégia de oferta diversificada, tão importante na formação dos preços, numa economia dinâmica e concorrencial. E não esquecer a importância de se valorizar noutros requisitos de competitividade, que vão muito além de ser “um porto de águas profundas”, pois os desenvolvimentos no tamanho e capacidade parecem não acompanhar a exigência de maior calado dos navios. (É boa nota, saber que este navio de 18.000 TEU’s necessita duma profundidade de 14,5 m).

A propósito das expectativas criadas pelo alargamento do Canal do Panamá, devemos ter presente que, o mesmo só permitirá acolher navios porta contentores de capacidade máxima até 12.000 TEU’s, podendo acontecer que, fruto do desenvolvimento da frota mundial de contentores, cada vez sejam mais os navios de capacidade acima desta, que escalarão Sines, no futuro. Ou mesmo, verificar outras premissas associadas ao comércio mundial e às suas tendências, mesmo o benefício imediato que terá nas trocas com economias regionais americanas mas que só a médio/longo prazo sejam visíveis os benefícios trazidos a Sines e a mercados mais distantes, apoiados no chamado round of the world. Rota, esta, à volta do mundo feita com recurso a grandes navios, carregados como convém, pois resulta numa grande preocupação os 30% de custos associados a contentores vazios, suportados pelas linhas de navegação na sua conta de exploração.

Não alinharei outras preocupações associadas ao tema, que poderiam ter a ver com a emergência de outras rotas marítimas possíveis para o comércio entre a Ásia e a Europa, e mesmo a América, com menos dias de navegação e porventura mais baratas (como por ex: a Rota do Ártico), que poderiam, igualmente, estar associadas a outras alternativas que se desenham (construção de um canal interoceânico promovido pelo governo das Honduras e com fortes interesses por parte da China), porque, embora com este arrefecimento dos ânimos, sou dos que acreditam na importância de Sines e no papel a desenvolver pelo seu terminal de contentores, em benefício da região e do país.

Num mundo que reclama atenção permanente, tanto mais no mundo dos negócios, acresce uma grande vantagem que se poderá associar ao Porto de Sines em termos futuros. Falo do crescente recurso ao gás natural pela maioria das frotas. Ora tendo em funcionamento um Terminal de Gás Natural, será aconselhável que se facilite o fornecimento de bancas deste gás, aos navios que demandem o Porto de Sines. Será, certamente, uma vantagem preciosa.

Como disse, cada vez menos gosto de discursos sem substância e só por isso tentei aclarar o assunto e balizá-lo na realidade. Posto isto, acho que é compaginável a alegria sentida por haver alguma coisa que funciona bem neste país. E desde logo, seja-me permitido, envaidecer-me (não ficará mal o termo) por me saber associado a este projeto que se afirmou e hoje, revela-se de uma utilidade, inquestionável, para o nosso país. Já vai distante Março de 1998, em que fiz parte duma missão que se deslocou a Singapura e sensibilizou a PSA a acreditar e a investir em Sines. E também esse lindo dia de Junho de 1999 em que coassinei o contrato que levaria à concessão do Terminal XXI. Pelo meio ficará uma história por contar. Mas valeu a pena!

(ex- Administrador da APS)

José António Contradanças
05/01/2014


Fonte: Jornal do Público
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 31
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.forumotion.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum