Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  cais  cmtv  

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Vindimas do Douro são oportunidade de trabalho para muitos

Ir em baixo

Vindimas do Douro são oportunidade de trabalho para muitos

Mensagem por Admin em Sab Ago 23, 2014 10:57 am

Foto: José Sérgio/SOL

As vindimas no Douro, que estão agora a começar, são uma oportunidade de trabalho para muitos desempregados, estudantes ou domésticas que batem às portas das quintas à procura de um dinheiro extra.


"Muitos pedidos [de emprego] são de pessoas que não têm nada a ver com a área porque, com a crise, nota-se um maior desemprego"

É a chamada grande festa do Douro. Por estes dias começam-se a cortar as uvas na mais antiga região demarcada do mundo, depois de uma primavera/verão atípicos devido à chuva e frio que criaram condições para a ocorrência de doenças que se vão traduzir numa quebra de produção que poderá ir dos 10 aos 15%.

Na Quinta do Vallado, perto do Peso da Régua, já se colhem as uvas brancas. A esta porta têm batido muitas pessoas à procura de uma oportunidade de trabalho.

"Temos muitos pedidos de pessoas que querem trabalhar connosco não só para a vinha, mas também para a adega. Muitos pedidos são de pessoas que não têm nada a ver com a área porque infelizmente, com a crise, nota-se um maior desemprego", afirmou Francisco Ferreira, um dos responsáveis pela quinta.

Nesta primeira fase, o Vallado tem 25 pessoas a trabalhar na vindima. Mais tarde, quando começarem a cortar as uvas tintas, serão entre os 40 a 50, mas aí a propriedade recorre também à mão de obra fornecida pelos empreiteiros agrícolas.

Marta Guedes, 18 anos, acabou o curso profissional de restauração e bar, equivalente ao 12.º ano, e não conseguiu arranjar trabalho.

Decidiu, por isso, aproveitar a vindima para ganhar algum dinheiro.

"Pensei que conseguia arranjar emprego mais facilmente mas já vi que está difícil e que vai custar muito encontrar na minha área, porque dizem que está difícil e que não têm dinheiro para contratar mais empregados", salientou.

É a primeira vez que está a trabalhar na vindima e diz que está a gostar. "Não é um trabalho difícil e o grupo aqui é muito divertido", sublinhou.

Hugo Joel tem 26 anos e está também desempregado. Trabalhou a tempo inteiro nesta quinta mas depois decidiu emigrar, só que não gostou da experiência e ao regressar já não encontrou emprego.

Agora aproveita também a vindima para "ganhar algum dinheiro" porque disse que é "muito complicado" estar sem trabalhar.

Goreti Mateus gosta muito desta festa do Douro e contribui para a animar com os versos que vai inventando à medida que os dias passam.

São oito horas de trabalho por dia, sempre debruçada sobre as videiras, mas mesmo assim afirmou que com a diversão até esquece o cansaço.

É doméstica, tem dois filhos a estudar e durante o ano vai fazendo umas horas na vinha. É durante a vindima que aproveita para ganhar dinheiro para ajudar nas despesas lá de casa. "Cobre o buraco da despesa dos livros, de facto", sublinhou.

Maria Rosa, 59 anos, anima o grupo com músicas tradicionais do Douro. Concilia o trabalho em casa com a lavoura e nesta altura não perde a vindima do Vallado.

"Enquanto me chamarem é para aqui que venho e logo que eu possa e tenha saúde. O dinheiro que se ganha aqui ajuda, claro que sim", referiu.

Acrescentou ainda que "há cada vez mais pessoas a quererem vir trabalhar para aqui".

Maria Luísa também já andou nas vindimas em França. O trabalho diz que é exactamente a mesma coisa. "Tirámos na mesma o bago podre e o seco, é igual como é aqui", explicou.

A grande diferença é o dinheiro que se ganha.

"Lá em duas semanas e meia trouxe 1.150 euros e aqui ganho 25 euros por dia", salientou.

Francisco Ferreira perspectiva um ano de boa produção em termos de qualidade e aqui, na sua quinta, também em quantidade, pois apesar da quebra em relação ao ano passado prevê uma colheita idêntica à média dos últimos anos.

23/08/2014 11:31:51
Lusa/SOL

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 31
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.forumotion.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum