Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

cmtv  cais  tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

“Medidas retalhadas” não resolvem problemas nas cidades

Ir em baixo

“Medidas retalhadas” não resolvem problemas nas cidades

Mensagem por Admin em Seg Nov 10, 2014 7:11 pm



“Falta uma estratégia global para a mobilidade”, alerta o director de marketing e vendas da Toyota Caetano Portugal, que também é o interlocutor português da marca nipónica, a nível global, quando o tema são as “smart cities”.
 
“Não é com medidas retalhadas que se resolvem os problemas de mobilidade. É com medidas globais”, avisou Sousa Campos, na mesa redonda “Cidade sem Carros & Fiscalidade Verde”, que a empresa do grupo Salvador Caetano organizou em Olhão.
 
Mafalda Sousa, da associação ambientalista Quercus, também presente no debate, lamentou a ausência de políticas cabais para os transportes públicos. “Houve degradação do serviço de transporte público nos últimos anos”, referiu a especialista, para quem a culpa desse estado de coisas não é do sector automóvel, mas “da falta de política de transportes públicos”.
 
António Cavaco, da Associação Automóvel de Portugal, disse, por seu turno, que as marcas devem continuar “a reduzir o impacto ambiental dos veículos e a trabalhar a interacção com outros meios transportes”. “Um automóvel actual tem o mesmo nível de emissões [de CO2] que 20 da década de 1970”, indicou.
 
Toyota testa i-Road em Grenoble
 
Sousa Campos considera que o tema da mobilidade tem de ser pensado de forma global e adaptado às diferentes necessidades. “Estas discussões têm foco nas principais cidades, mas as mais pequenas têm necessidades diferentes”, defende.
 
Talvez por isso, a Toyota acredita que, em termos de propulsão automóvel, coexistirão várias tecnologias: a eléctrica, para deslocações urbanas, e a híbrida, para um uso mais polivalente (as previsões é que 20% das vendas Toyota e Lexus em 2015 sejam híbridos), às quais se juntará a pilha de combustível (aqui também para os pesados).
 
A marca prepara-se, aliás, para lançar, em 2015, o Toyota FCV no Japão, nos EUA e na Europa (Alemanha, Inglaterra e Noruega). O director de marketing e vendas da Toyota Caetano Portugal acredita que entre 2020 e 2030 a presença vá alargar-se a outros mercados.
 
O mesmo responsável recorda, dentro da mobilidade urbana, o envolvimento da Toyota num programa experimental que a cidade francesa de Grenoble tem em curso, no qual a marca japonesa é parceira, com o i-Road, um veículo eléctrico de três rodas capaz de transportar duas pessoas.
 
“Mais do que a mobilidade, o que queremos testar é a utilização partilhada e integrada com os transportes públicos. A intenção não é eliminar as viaturas das cidades, mas fazer com que haja uma utilização mais racional e eficiente das viaturas”, explicou.
 
O i-Road vai também ser testado no Japão. “A nossa intenção é que até 2020 tenhamos a viatura e a interligação com os sistemas de transportes públicos prontos a serem alargados a outras localizações”, explica Sousa Campos.
 
Automóvel e transportes públicos têm de interagir
 
O automóvel “tem de ser visto como um motor de desenvolvimento” e não apenas como um “transporte de poluição”, pois “não há concorrência entre meios de transporte”, mas antes interacção de todos.
 
A opinião foi defendida por António Cavaco, director da Associação Automóvel de Portugal (ACAP), entidade que representa em Portugal a Associação dos Construtores Europeus de Automóveis (ACEA).
 
“A ACEA defende a intervenção de vários meios de transporte para responder às necessidades de transporte dos cidadãos. Por muita utilização dos transportes públicos que haja, o automóvel é sempre necessário”, refere António Cavaco.
 
O representante da ACAP considera que o “problema é a forma como estão organizados os transportes”. E recorda que os construtores automóveis estão já a trabalhar nos veículos inteligentes, que interagem com a estrada (trânsito e sinalização) e com os transportes públicos. “O que aconteceu com os telemóveis vai acontecer com o automóvel. Isto não é ficção científica, vai ser realidade”, disse.
 
António Cavaco diz lamentarque “o automóvel seja visto como inimigo ambiental” quando é “um factor de mobilidade” e um “motor de riqueza e desenvolvimento”.
 
Os números da ACEA apontam que 12% das emissões na Europa tenham origem rodoviária, mas António Cavaco salienta que aquela percentagem tem descido. “Em Portugal, entre 2007 e 2013, houve uma redução das emissões em 20%”, indica.
 
10/11/2014

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 31
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.forumotion.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum