Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

cais  tvi24  cmtv  

Últimos assuntos
Galeria


Janeiro 2019
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
2 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 2 Visitantes

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

2015 - A primeira crise

Ir em baixo

2015 - A primeira crise

Mensagem por Admin em Seg Jan 05, 2015 6:14 pm


O fim do ano de 2014 - o ano do centenário da Grande Guerra, a mãe de todas as guerras e de toda a História do século XX - devia aconselhar alguma prudência aos responsáveis ocidentais.

Putin está mais encurralado e com menos opções económicas
Dezenas de títulos saídos sobre as origens do conflito reflectiram uma perplexidade que permanece: como é que de uma competição industrial e diplomática entre potências 'civilizadas' se passou aos estúpidos massacres cruzados da Flandres? Como é que um magnicídio numa zona periférica pôde determinar uma hecatombe nos centros de poder mundial? E porque é que homens de Estado e burocratas prudentes, com largos anos de política e de realpolitik, se deixaram agarrar pelos sentimentos chauvinistas e revanchistas dos demagogos?

As crises deste princípio de 2015 têm que ver com questões políticas, umas político-económicas, outras político-religiosas.

Falemos hoje das primeiras.

O preço do barril de crude, como referencial e índice principal do valor de mercado dos outros produtos energéticos, é um padrão central da geopolítica mundial. Já porque a energia é uma commodity que todos os Estados têm de avaliar e usar - como exportadores ou importadores -, já porque o seu valor condiciona o valor de muitos outros bens e serviços essenciais à vida moderna.

Apesar de numerosos livros e artigos de previsão energética, ora eufóricos ora pessimistas, uns recomendando confiança na mão invisível do mercado livre, outros pedindo vigilância e contenção estatal, não se acharam, até hoje, receitas certas em termos futurológicos. E quando a energia se mistura com a política e a geopolítica, então mais difíceis se tornam os cálculos.

A realidade mais complexa neste momento prende-se com a situação da Rússia de Putin, simultaneamente vítima da baixa dos preços do petróleo, valor principal das suas exportações, e das sanções económicas ocidentais, impostas por razões políticas.

Para que a Rússia pudesse equilibrar contas, o preço deveria andar pelos 100 dólares/barril, muito acima dos actuais 55 (29 de Dezembro). Se algumas das companhias ocidentais do sector, sob a pressão das sanções, se retirarem das joint-ventures, o prejuízo financeiro na quebra de investimento mais o gap tecnológico contribuirão a curto prazo para uma baixa da produção, sobretudo nas regiões árcticas da Sibéria e no deep offshore. O Banco Central Russo está a bater-se para defender a moeda, à custa da taxa de juro e dos dólares das suas altas reservas, mas é sempre um combate desigual.

Washington e NATO continuam a hostilizar Moscovo, Obama aprovou novas sanções. Putin conserva um grande apoio dos russos, mas sente-se mais encurralado e com menos opções económicas e diplomáticas.

Em Agosto de 1941, os americanos embargaram as vendas de petróleo ao Japão, que lhes comprava cerca de 75% do combustível; depois congelaram-lhe os activos financeiros - Pearl Harbour veio quatro meses depois.

Jaime Nogueira Pinto | 05/01/2015 15:07:08
SOL

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 32
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.forumotion.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum