Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

cais  tvi24  cmtv  

Últimos assuntos
Galeria


Novembro 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930 

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
Não há nenhum usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e nenhuma Visita :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Cidades Inteligentes – um novo paradigma urbano

Ir em baixo

Cidades Inteligentes – um novo paradigma urbano

Mensagem por Admin em Qua Jan 21, 2015 5:59 pm


As cidades desempenham importante papel no desenvolvimento económico e social dos países. Cidades produtivas e eficientes funcionam como motores para o desenvolvimento económico dos países e geram os recursos necessários para a realização de investimentos que promovem a melhoria nas condições de vida das populações.

A intensa concentração das pessoas nas cidades coloca, inevitavelmente, infraestruturas, ambiente e tecido social sob pressão, resultando em significativa perda de qualidade de vida das suas populações. Questões como escassez e má gestão de recursos naturais, congestionamento nas vias urbanas, tratamento adequado de resíduos, desemprego, pobreza, exclusão social são restrições, entre outras, à qualidade de vida da população.

Essas mesmas cidades, entretanto, são os pólos onde se realizam as interações entre as pessoas, ocorrem as transações comerciais e se desenvolvem pesquisas e inovações.

Imperativos demográficos, económicos, sociais, ambientais pressionam a aposta em novos modelos de desenvolvimento urbano, assim como em formas inovadoras de gestão das infraestruturas e prestação de serviços públicos.

As cidades ocupam 0,5% da superfície terrestre e consomem 75% dos seus recursos (PWC, 2013). Desde finais de 2008, a população mundial urbana ultrapassou a rural, pela primeira vez na história da Humanidade (ONU,2012). Estima-se que em 2050 a população global ultrapasse os nove mil milhões de pessoas e que, aproximadamente, 67% viverão em centros urbanos (ONU,2012), o que representa enormes desafios para os governantes das cidades.

Neste contexto, temos vindo a assistir à emergência de diversos programas e projetos de Cidades Inteligentes (Smart Cities) em todo o mundo tendo como génese a utilização de TICs, procurando responder aos principais problemas que atualmente enfrentam os espaços urbanos, desde a crise económica e as mudanças climáticas, até às desigualdades e exclusão social.

A visão de inteligência das cidades emerge da convergência entre a sociedade do conhecimento – onde a informação e a criatividade são ativos valiosos ao dispor do capital humano para o desenvolvimento da inovação – e a cidade digital – que faz uso extensivo de sistemas de telecomunicações e recursos da internet – como forma para transformar significativamente as formas de relacionamento e de vida dentro de uma região.

Os pilares de uma smart city materializam-se em soluções urbanas inteligentes, mais ou menos integradas, em áreas diversas como a energia, mobilidade, gestão de água e resíduos, saúde, segurança e governação (INETI, 2013). Um estudo da Pike Research (2013), confirmado pela International Data Corporation – Analize the future (2013) demonstra que mais de 90% dos projetos de cidades inteligentes no mundo se relacionam com energia, transportes e governação sendo 50% centrados nos transportes e mobilidade nas cidades.

Neste sentido, as políticas europeias têm vindo a dar prioridade a projetos inteligentes, sustentáveis e inclusivos, que contribuam para a continuação dos objetivos da Estratégia Europa 2020, lançada em 2010.

Com a generosidade dos novos Quadros Comunitários, Portugal tem agora meios para construir um futuro mais sustentável. Há que combinar os fundos de coesão (FEDER e FSE) com o HORIZON e COSME, de forma a responder às necessidades nacionais para a afirmação de cidades inteligentes (Smart Cities Stakeholder Platform’s Finance Group, 2013), e sobretudo, é necessária uma liderança forte do poder local e o trabalho em rede.

Docente da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa, no Porto. A autora escreve segundo o Acordo Ortográfico.

ALEXANDRA LEITÃO 21/01/2015 - 11:16
Público

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 31
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.forumotion.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum