Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

cmtv  cais  tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Reinterpretação da constituição japonesa

Ir em baixo

Reinterpretação da constituição japonesa

Mensagem por Admin em Seg Mar 02, 2015 7:12 pm


A aproximação do 70º aniversário da derrota do Japão na Segunda Guerra Mundial provocou muita discussão - e lamentos – sobre o ressurgimento de rixas históricas na Ásia Oriental. Mas as recentes tensões na região podem reflectir, em parte, a falta de progresso numa outra esfera, que tem sido negligenciada: a reforma constitucional japonesa. De facto, apesar da impotência que ficou tão evidente na decapitação dos dois reféns japoneses pelo Estado Islâmico, o Japão ainda não adoptou uma única alteração à "constituição de paz" imposta pelas forças americanas de ocupação em 1947.


À primeira vista, isso pode não ser totalmente surpreendente. Afinal, a constituição serviu um propósito importante: ao garantir que o Japão não seria uma ameaça militar no futuro, permitiu ao país acabar com a ocupação estrangeira e dedicar-se à reconstrução e democratização. Mas consideremos o seguinte: a Alemanha adoptou uma constituição aprovada pelos aliados em circunstâncias semelhantes, em 1949, e desde então tem feito dezenas de emendas.
 
Além disso, enquanto a constituição da Alemanha, ou Lei Fundamental, autorizou o uso da força militar em defesa própria ou como parte de um acordo de segurança colectiva, a constituição do Japão estipulou o abandono total e permanente da "ameaça ou uso da força como meio para solucionar disputas internacionais". O Japão é o único país do mundo que tem essas restrições - impostas não só para evitar um ressurgimento militarista, mas também para punir o Japão pelas políticas do seu governo durante a guerra - e mantê-las é irrealista.
 
É por isso que o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, fez da reforma constitucional uma grande prioridade. Tendo cimentado a sua autoridade nas eleições gerais de Dezembro, em que o seu Partido Liberal Democrata obteve uma vitória decisiva, Abe está decidido a alcançar o seu objetivo de construir um Japão mais forte e competitivo - um país que possa fazer frente a uma China cada vez mais agressiva.
 
O esforço de Abe para "normalizar" a posição estratégica do Japão começou com uma reinterpretação do artigo 9.º da constituição, segundo o qual o país passaria a ter a possibilidade de se envolver em missões de "legítima defesa colectiva". O governo do Japão aprovou a mudança no verão passado, e os Estados Unidos apoiaram a decisão. Depois da pressão do Estado Islâmico, a legislação para implementar a reinterpretação já está pronta para ser apresentada à Dieta.
 
No entanto, a reinterpretação tem enfrentado alguma resistência interna e externamente. Os críticos chineses, em particular, expressaram preocupações de que o militarismo japonês possa ressurgir, ainda que não mencionem que foi a expansão militar da China que levou o governo do Japão a reavaliar a sua política de defesa nacional.
 
Na verdade, a reinterpretação representa pouco mais do que um ajuste: as forças japonesas podem agora proteger um navio de guerra americano que esteja a defender o Japão, mas continuam proibidas de iniciar ataques ofensivos ou participar em operações militares multilaterais. Tendo em conta que a Carta das Nações Unidas reconhece a auto-defesa individual e colectiva como um "direito inerente" dos países soberanos, a mudança não deveria gerar controvérsia.
 
Contudo, existem obstáculos significativos que continuam a bloquear uma reforma constitucional mais ampla. As alterações exigem uma maioria de dois terços em ambas as câmaras da Dieta e uma maioria num referendo popular, o que faz com que a constituição do Japão seja uma das mais difíceis de modificar em todo o mundo. Para facilitar as suas ambições, Abe espera reduzir os requisitos a uma maioria simples em ambas as câmaras ou eliminar a necessidade de um referendo público.
 
Dada a resistência popular à mudança, a tarefa de Abe não será fácil. Enquanto os cidadãos da maioria das democracias consideram as suas constituições como documentos abertos - a Índia, por exemplo, alterou a sua constituição 99 vezes desde 1950 - os japoneses tratam a sua constituição como sacrossanta. Como resultado, em vez de garantir que a sua constituição reflecte os desenvolvimentos sociais, tecnológicos, económicos e até mesmo ideológicos, os japoneses defendem zelosamente as suas disposições precisas, como os fundamentalistas religiosos defendem a verdade literal das Escrituras.
 
Além disso, o pacifismo está profundamente enraizado na psique japonesa, mesmo entre os jovens, em grande parte devido ao legado doloroso do militarismo pré-guerra do Japão. De facto, uma pesquisa realizada no ano passado pelo World Values ??Survey, revelou que apenas 15,3% dos japoneses - em comparação com 74,2% dos chineses e 57,7% dos norte-americanos - estaria preparado para defender o seu país, a menor taxa do mundo. Apenas 9,5% dos japoneses com menos de 30 anos mostraram estar dispostos a lutar.
 
Dada a oposição, uma revisão do artigo 9º, em vez de uma simples reinterpretação, não parece viável, especialmente quando o partido Komeito, declaradamente pacifista, continua a fazer parte da coligação governamental. Mesmo que Abe consiga diminuir os requisitos para as alterações – o que não é fácil, dada a probabilidade de uma consulta popular revelar o fraco apoio público - provavelmente terá que deixar a mudança para o seu sucessor.
 
Mas há um factor que poderia reforçar consideravelmente a causa de Abe. O apoio explícito dos Estados Unidos à reforma constitucional japonesa pode não só neutralizar as críticas chinesas, como também dar confiança a muitos japoneses de que actualizar o artigo 9º não equivale a rejeitar a ordem do pós-guerra que os norte-americanos ajudaram a estabelecer no Japão.
 
Isto também serviria os interesses de segurança dos Estados Unidos. Um Japão mais confiante e seguro estaria em melhores condições de impedir um aumento da influência da China no Pacífico ocidental, cumprindo-se, assim, um dos objectivos centrais da política dos Estados Unidos, que é assegurar um equilíbrio estável de poder na Ásia. Nenhum outro país da região tem condições de actuar como um contrapeso credível face à China.
 
O Japão de hoje - uma democracia liberal que não disparou um único tiro contra outros países em quase sete décadas, e que fez grandes contribuições para o desenvolvimento global durante este período - é muito diferente do Japão de 1947. A sua constituição deve reflectir isso mesmo.
 
Brahma Chellaney é professor de Estudos Estratégicos no Centro de Pesquisa Política de Nova Deli
 
Direitos de Autor: Project Syndicate, 2015.
www.project-syndicate.org

Tradução: Rita Faria

02 Março 2015, 11:23 por Brahma Chellaney
Negócios

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 31
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.forumotion.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum