Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  cais  cmtv  

Últimos assuntos
Galeria


Janeiro 2019
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
2 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 2 Visitantes

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Leste da Letónia inquieto com o cenário ucraniano

Ir em baixo

Leste da Letónia inquieto com o cenário ucraniano

Mensagem por Admin em Sex Mar 06, 2015 8:58 pm


Desde o início dos confrontos na Ucrânia, o governo da Estónia reforçou a presença das forças da NATO na região leste. Este pequeno país está sob tensão. Todos se questionam se o Kremlin vai tentar destabilizar a situação no país e se a minoria russófona vai continuar leal ao governo de Tallinn.

""O que eles nos propunham era que lhes déssemos apoio e declarássemos que o governo ucraniano é corrupto e criminoso. Claro que esta carta vinha encabeçada com o timbre da República Popular de Donetsk..""
A parada militar do Dia da Independência este ano decorreu em Narva, a cidade mais próxima da fronteira com a Rússia.

Perguntámos ao tenente Nikolai Predbannikov, o que faz o exército do país para integrar os soldados de língua russa?
“Organizamos para os soldados que têm dificuldades com a língua um curso de língua estoniana e para além disso enquadramos com militares que falam as duas línguas – russo e estoniano – e eles traduzem todos os termos militares específicos, quando necessário”, explica.

À questão direta se os soldados de origem russa – que falam russo – estão dispostos a defender a Estónia contra uma potencial agressão vinda do Leste, responde na primeira pessoa:
“Eu falo por mim, o inimigo não tem nacionalidade ou etnia. Quem vive pela espada, pela espada morrerá”.

Poder-se-à descartar a hipótese de os “homenzinhos verdes” como aqui são chamados – os mercenários – atravessarem a fronteira da Estónia, como aconteceu na Crimeia?

 
  
A sociedade civil mostra-se preocupada, inclusivé os falantes da língua russa, cerca de um quarto da população. Ivan está na origem de uma carta aberta, assinada por numerosos cidadãos de expressão russa e estoniana e revela o objetivo:

“A ideia principal deste memorando é dizer que nós, os falantes de russo na Estónia, não gostaríamos de ver esses “homenzinhos verdes” aproximarem-se daqui, como aconteceu na Ucrânia e na Crimeia. As pessoas aqui querem viver na Estónia independente, não numa espécia de “Nova-Rússia”.

A Estónia prepara-se para reforçar a oferta dos média públicos em língua russa, segundo IImar Raag, um realizador que está a ajudar o governo estoniano a proteger-se da manipulação dos média estrangeiros, nomeadamente russos.

“Estamos preocupados com operações de informação hostil… Com a propaganda russa … Pensamos que o primeiro passo é despertar as consciências para o reconhecimento imediato de mentiras claras”, confirma.

Mais velhos atraídos pela Federação Russa

Um jovem casal, Oleg e Tatjana Rubannikov, ambos falantes de russo, convidaram-nos para um café em casa. Entre os seus amigos são poucos os que preferiam viver sob a alçada do Kremlin. Oleg diz-nos que aqui em Narva só algumas pessoas mais velhas se sentem atraídas pela ideia de voltarem a pertencer à Federação Russa.

“As pessoas que têm agora 50 anos ou mais, viveram a maior parte da vida na União Soviética e é por isso que estão mais familiarizadas do que eu com uma certa forma de vida. Eu sou provavelmente já metade estoniano, nasci aqui em Narva e tenho aqui a minha vida..”

O filho, David, já tem nacionalidade estoniana, mas os pais ainda têm os estranhos passaportes cinzentos. Ocupados com os filhos e o emprego, os Rubannikov nunca tiveram tempo de aprender a língua estoniana necessária para a obtenção da cidadania.

Tatjana considera que as autoridades letãs deveriam ser mais flexíveis:
“Se o governo quer que mais pessoas se tornem estonianas, se querem mais cidadãos estonianos têm que simplificar os exames de acesso à cidadania”.

David tem boas notas. Em Narva 90% das pessoas fala russo e há muitas escolas russas. 60% do ensino é em estoniano e 40% em russo. A classe política questiona-se se a língua estoniana não deveria ser introduzida na escola logo no jardim infantil. Os pais de David apoiam esta ideia e pedem um maior número de professores de estoniano em Narva. Querem que os filhos se tornem totalmente bilingues.

Na exposição de veículos militares, da festa da Independência David e os pais descobriram as forças estonianas, britânicas, dinamarquesas e americanas, todas juntas. Porque a Estónia é membro da NATO, a maioria dos russófonos excluem a repetição do cenário ucraniano, mas nem todos..


Presença da NATO tranquiliza muita gente

Ilya, um idoso pensa que o perigo espreita: 
“Aqui na região de Ida-Viru a maioria fala russo. Se o governo legislar para limitar o uso da língua, tudo pode acontecer..

Já Lidia não acredita no pior cenário:
“Não, não, não! Isso não é possível. Não seria permitido. Somos todos pessoas pacíficas. Porque vivemos aqui todos juntos em paz”.

Tatjana também está otimista:
“As pessoas que estão aqui, agora são cidadãos leais que nasceram aqui e amam a Estónia tanto quanto qualquer estoniano, ainda que sejam etnicamente russos”.

Os cidadãos russófonos de Narva acorreram massivamente para assistirem à Parada Militar do Dia da Independência, muitos com bandeiras estonianas. Parece que os habitantes de Narva são leais à Estónia e não há tendências separatistas, atualmente. Apesar disso, Narva está num impasse. Devido à tensão geopolítica, os investidores estrangeiros suspenderam os planos de investimento.

A Pressão de Donetsk

Narva é geminada com Donetsk e recentemente as autoridades receberam uma carta dos separatistas pró-russos, revela o assessor para os assuntos internacionais da cidade, Vyacheslav Konovalov: 
“O que eles nos propunham era que lhes déssemos apoio e declarássemos que o governo ucraniano é corrupto e criminoso. Claro que esta carta vinha encabeçada com o timbre da República Popular de Donetsk… Nós simplesmente não respondemos”.

Mihhail Tverskoi distribui autocolantes “Falemos russo”. Este russófono deixou a Estónia há 14 anos para uma carreira internacional de controlo financeiro. Vive na Bélgica e visita a Estónia de dois em dois meses, não apenas para ver os amigos mas para verificar os rótulos dos produtos. Dirige um portal que recebe as queixas dos consumidores sobre a ausência de etiquetas em língua russa e tenta fazer pressão para a manutenção da língua russa em serviços como a justiça, os hospitais, as escolas, ou o comércio.

“Penso que o problema é que em alguns produtos há ingredientes de risco, por exemplo quando se sofre de alergias.. É importante que todos os consumidores tenham todas as informações na sua própria língua, ou seja, os russófonos têm que ter informações em russo”.

O Artur, que tem 16 anos e fala russo, fez alguns amigos que falam estoniano na comunidade dos jogos em linha. A família vive numa casa de habitação social. Mãe solteira de quatro filhos, Olga ganha algum dinheiro como empregada de limpeza. Conhece muita gente e sabe que muitos têm receio da situação.

“Há algum receio de que um dia os russos possam rebelar-se ou iniciar motins ou túmultos, ou algo assim. Cada um tem a sua opinião e eu, enquanto mãe, temo pela minha família. Diria que em Narva, cerca de 30% dos que falam russo gostariam de juntar-se à Rússia”.

Para Vladimir Cherdakov, dono do Club AvNue, “os políticos estonianos deveriam acalmar as tensões prestando mais atenção a Narva e não só em tempo de eleições”.

———————————————————————

BONUS 1:


Comunicação de guerra Este – Oeste

A Euronews conversou com Ilmar Raag, coordenador da comunicação do governo da Estónia e Assessor para a Psicologia de Defesa, encarregado da comunicação em tempo de crise.

Euronews: Considera que há uma comunicação de guerra entre a Federação Russa e o Ocidente?
Siga toda a entrevista, em inglês, neste link:
‘‘We are concerned about hostile information operations’‘ – Ilmar Raag, Communication Coordinator to the Estonian government

BONUS 2


Os russos da Estónia leais a Tallinn

Em Talin, a capital da Estónia, Ivan Lavrentjev, instigador do Memorandum14 explica à Euronews porque é que os cidadãos russófonos são leais à Estónia. A entrevista integral em russo pode ser vista usando este link:
Иван Лаврентьев, лидер инициативы ‘‘Меморандум 14’‘

BONUS 3:


Narva refém da tensão geopolítica

A cidade estoniana de Narva, na fronteira Leste com a Rússia, sofre com as tensões geopolíticas. Os investidores estrangeiros hesitam em avançar com os negócios. As explicações à Euronews, de Vyacheslav Konovalov, assessor para os assuntos internacionais na cidade. A entrevista, na íntegra, em inglês, pode ser vista usando este link:
Vyacheslav Konovalov, International adviser, Narva City Office

06/03 11:28 CET
Copyright © 2015 euronews


_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 32
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.forumotion.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum