Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  cais  cmtv  

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

A boa luta do Japão

Ir em baixo

A boa luta do Japão

Mensagem por Admin em Seg Jun 22, 2015 11:37 am

A recente visita do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, aos Estados Unidos foi, da sua perspectiva, altamente bem-sucedida. A primeira revisão em 18 anos das orientações bilaterais de defesa foi concluída, dando às Forças de Auto-Defesa do Japão um papel expansivo na concessão de apoio logístico aos Estados Unidos.

E o presidente norte-americano, Barack Obama, reafirmou que as ilhas Senkaku administradas pelo Japão, sobre as quais a China tem reivindicado a sua posse, estão cobertas pelo tratado de defesa mútua. Foram feitos progressos no pacto comercial da Parceria Trans-Pacífica, que precisa do apoio do Japão para ser bem-sucedida. E Abe tornou-se o primeiro líder japonês a estar presente numa sessão conjunta no Congresso.
 
Mas, apesar da impressionante lista de conquistas, a parte mais marcante da viagem de Abe chegou no final. Em vez de regressar a casa logo depois de a parte oficial da viagem ter terminado, Abe visitou a Califórnia, incluindo Silicon Valley, durante quatro dias.
 
De acordo com os meios de comunicação oficiais japoneses, Abe visitou a Califórnia para ganhar inspiração e ideias para levar para Tóquio. Mas a estadia na Califórnia também enviou uma mensagem forte: o declínio gracioso não é o caminho pré-determinado do Japão. Sob a liderança de Abe, o país vai fazer o que for necessário para se reinventar economicamente, assim como os Estados Unidos fizeram tantas vezes.
 
Tendo em conta o potencial das expectativas para moldar os desenvolvimentos do mundo real, através do seu impacto nas decisões estratégicas e políticas, esta estratégia faz sentido. Abe sabe que deve desafiar a actual narrativa predominante de que o futuro económico da Ásia pertence à China. Se falhar, a pressão vai aumentar sobre os governos da região para os alinhar geopoliticamente com a China, potencialmente mesmo depois da sua liderança na escolha da prosperidade em detrimento da liberdade.
 
Agora, a maior parte dos países do este asiático parecem esperar que Abe seja bem-sucedido. De facto, têm cautelosamente apoiado o Japão como um contra-peso essencial face a uma China em ascensão – e com razão. Considerando que a importância económica regional da China tende a ser sobrestimada, o Japão é frequentemente subestimado.
 
Na realidade, o comércio da China dentro da Ásia – por exemplo, com os membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN, na sigla anglo-saxónica) – é levado a cabo sobretudo por empresas com sede em economias avançadas, incluindo o Japão. Além disso, apesar da reputação da China como o mercado de crescimento mais dinâmico, os consumidores japoneses ainda têm bolsos mais fundos do que os seus homólogos chineses, o que significa que o Japão tem um grande papel ao sustentar as economias da região dependentes das exportações.
 
As economias em desenvolvimento da Ásia, incluindo a China, não podem atingir o seu potencial sem capital estrangeiro e inovação – algo que as economias avançadas como o Japão proporcionam. De facto, o Japão proporciona de longe mais investimento directo estrangeiro do que a China em cada grande economia no sudeste asiático e na ASEAN como um todo, e as suas empresas líderes – os operadores globais como a Mitsubishi e a Sony – transferem de longe mais tecnologia e "know-how" para a Ásia em desenvolvimento do que os seus homólogos chineses.
 
Para ser correcto, a China está a trabalhar muito para os alcançar, com o governo a identificar o empreendedorismo e a inovação como essenciais para a evolução do modelo de crescimento do país. Mas quando se trata de tecnologias avançadas em sectores emergentes como a computação e sistemas de energia da próxima geração, bem como desenvolvimentos na indústria como robótica e impressão a três dimensões, a liderança considerável do Japão não deve ser subestimada.
 
Ainda assim, o Japão tem de trabalhar muito para evitar perder a sua vantagem. Isso vai significar superar as difíceis reformas estruturais, como a liberalização das relações industriais. Felizmente, Abe reconhece este imperativo e a terceira "seta" da sua estratégia para revigorar a economia do Japão estabeleceu-o como um objectivo oficial (juntamente com a abertura de sectores protegidos – em particular a agricultura – a uma grande concorrência externa).
 
Claro, não há garantia de que a fase da reforma estrutural do "Abenomics" será bem-sucedida. O que é certo é que a China enfrenta um desafio ainda mais difícil: deve reinventar, não apenas reformar, a sua economia política.
 
Apesar de alcançar três décadas de rápido crescimento económico, a China ainda funciona com o "hardware" institucional da era da Guerra Fria. O tipo de inovação em larga escala que se verifica nas economias avançadas requer que as instituições que asseguram o estado de direito, os direitos de propriedade intelectual e uma meritocracia genuína, com as empresas merecedoras, não apenas favorecidas pelo Estado, a terem acesso ao financiamento e às oportunidades de que precisam para crescer. Neste aspecto, a China ainda tem um longo caminho a percorrer. 
 
O Japão nunca saiu da competição para moldar a ordem do futuro económico da Ásia. (Como metade da aliança que vai ter o maior papel na definição do equilíbrio de poder do este asiático nas próximas décadas, o Japão vai ter também um papel estratégico vital.) Mas a viagem recente de Abe aos Estados Unidos serviu como uma lembrança importante da centralidade do Japão para os assuntos asiáticos.
 
É algo irónico que, enquanto o mundo se prepara para comemorar o 70.º aniversário da derrota do Japão na Segunda Guerra Mundial, os governos dos Estados Unidos e de quase todos os grandes países asiáticos estão silenciosamente a aplaudir Abe. Aquilo pelo qual o Japão está a lutar actualmente promete trazer benefícios de longo alcance, na Ásia e para lá dela.
 
John Lee é membro do Hudson Institute e professor na Australian National University.
 
Direitos de Autor: Project Syndicate, 2015.
www.project-syndicate.org
Tradução: Raquel Godinho

19 Junho 2015, 20:00 por John Lee
Negócios

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 31
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.forumotion.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum