Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

cais  cmtv  tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031     

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
2 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 2 Visitantes

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

A boa luta do Japão

Ir em baixo

A boa luta do Japão

Mensagem por Admin em Seg Jun 22, 2015 11:37 am

A recente visita do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, aos Estados Unidos foi, da sua perspectiva, altamente bem-sucedida. A primeira revisão em 18 anos das orientações bilaterais de defesa foi concluída, dando às Forças de Auto-Defesa do Japão um papel expansivo na concessão de apoio logístico aos Estados Unidos.

E o presidente norte-americano, Barack Obama, reafirmou que as ilhas Senkaku administradas pelo Japão, sobre as quais a China tem reivindicado a sua posse, estão cobertas pelo tratado de defesa mútua. Foram feitos progressos no pacto comercial da Parceria Trans-Pacífica, que precisa do apoio do Japão para ser bem-sucedida. E Abe tornou-se o primeiro líder japonês a estar presente numa sessão conjunta no Congresso.
 
Mas, apesar da impressionante lista de conquistas, a parte mais marcante da viagem de Abe chegou no final. Em vez de regressar a casa logo depois de a parte oficial da viagem ter terminado, Abe visitou a Califórnia, incluindo Silicon Valley, durante quatro dias.
 
De acordo com os meios de comunicação oficiais japoneses, Abe visitou a Califórnia para ganhar inspiração e ideias para levar para Tóquio. Mas a estadia na Califórnia também enviou uma mensagem forte: o declínio gracioso não é o caminho pré-determinado do Japão. Sob a liderança de Abe, o país vai fazer o que for necessário para se reinventar economicamente, assim como os Estados Unidos fizeram tantas vezes.
 
Tendo em conta o potencial das expectativas para moldar os desenvolvimentos do mundo real, através do seu impacto nas decisões estratégicas e políticas, esta estratégia faz sentido. Abe sabe que deve desafiar a actual narrativa predominante de que o futuro económico da Ásia pertence à China. Se falhar, a pressão vai aumentar sobre os governos da região para os alinhar geopoliticamente com a China, potencialmente mesmo depois da sua liderança na escolha da prosperidade em detrimento da liberdade.
 
Agora, a maior parte dos países do este asiático parecem esperar que Abe seja bem-sucedido. De facto, têm cautelosamente apoiado o Japão como um contra-peso essencial face a uma China em ascensão – e com razão. Considerando que a importância económica regional da China tende a ser sobrestimada, o Japão é frequentemente subestimado.
 
Na realidade, o comércio da China dentro da Ásia – por exemplo, com os membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN, na sigla anglo-saxónica) – é levado a cabo sobretudo por empresas com sede em economias avançadas, incluindo o Japão. Além disso, apesar da reputação da China como o mercado de crescimento mais dinâmico, os consumidores japoneses ainda têm bolsos mais fundos do que os seus homólogos chineses, o que significa que o Japão tem um grande papel ao sustentar as economias da região dependentes das exportações.
 
As economias em desenvolvimento da Ásia, incluindo a China, não podem atingir o seu potencial sem capital estrangeiro e inovação – algo que as economias avançadas como o Japão proporcionam. De facto, o Japão proporciona de longe mais investimento directo estrangeiro do que a China em cada grande economia no sudeste asiático e na ASEAN como um todo, e as suas empresas líderes – os operadores globais como a Mitsubishi e a Sony – transferem de longe mais tecnologia e "know-how" para a Ásia em desenvolvimento do que os seus homólogos chineses.
 
Para ser correcto, a China está a trabalhar muito para os alcançar, com o governo a identificar o empreendedorismo e a inovação como essenciais para a evolução do modelo de crescimento do país. Mas quando se trata de tecnologias avançadas em sectores emergentes como a computação e sistemas de energia da próxima geração, bem como desenvolvimentos na indústria como robótica e impressão a três dimensões, a liderança considerável do Japão não deve ser subestimada.
 
Ainda assim, o Japão tem de trabalhar muito para evitar perder a sua vantagem. Isso vai significar superar as difíceis reformas estruturais, como a liberalização das relações industriais. Felizmente, Abe reconhece este imperativo e a terceira "seta" da sua estratégia para revigorar a economia do Japão estabeleceu-o como um objectivo oficial (juntamente com a abertura de sectores protegidos – em particular a agricultura – a uma grande concorrência externa).
 
Claro, não há garantia de que a fase da reforma estrutural do "Abenomics" será bem-sucedida. O que é certo é que a China enfrenta um desafio ainda mais difícil: deve reinventar, não apenas reformar, a sua economia política.
 
Apesar de alcançar três décadas de rápido crescimento económico, a China ainda funciona com o "hardware" institucional da era da Guerra Fria. O tipo de inovação em larga escala que se verifica nas economias avançadas requer que as instituições que asseguram o estado de direito, os direitos de propriedade intelectual e uma meritocracia genuína, com as empresas merecedoras, não apenas favorecidas pelo Estado, a terem acesso ao financiamento e às oportunidades de que precisam para crescer. Neste aspecto, a China ainda tem um longo caminho a percorrer. 
 
O Japão nunca saiu da competição para moldar a ordem do futuro económico da Ásia. (Como metade da aliança que vai ter o maior papel na definição do equilíbrio de poder do este asiático nas próximas décadas, o Japão vai ter também um papel estratégico vital.) Mas a viagem recente de Abe aos Estados Unidos serviu como uma lembrança importante da centralidade do Japão para os assuntos asiáticos.
 
É algo irónico que, enquanto o mundo se prepara para comemorar o 70.º aniversário da derrota do Japão na Segunda Guerra Mundial, os governos dos Estados Unidos e de quase todos os grandes países asiáticos estão silenciosamente a aplaudir Abe. Aquilo pelo qual o Japão está a lutar actualmente promete trazer benefícios de longo alcance, na Ásia e para lá dela.
 
John Lee é membro do Hudson Institute e professor na Australian National University.
 
Direitos de Autor: Project Syndicate, 2015.
www.project-syndicate.org
Tradução: Raquel Godinho

19 Junho 2015, 20:00 por John Lee
Negócios

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 31
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.forumotion.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum