Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

cais  tvi24  cmtv  

Últimos assuntos
Galeria


Janeiro 2019
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
2 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 2 Visitantes

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Putin e os cavalos de Tróia

Ir em baixo

Putin e os cavalos de Tróia

Mensagem por Admin em Ter Fev 17, 2015 12:14 pm


Vivemos um momento decisivo na Europa e essa sensação é agudizada pela convergência dramática das crises da Grécia e da Ucrânia, nas fronteiras Sul e Leste do continente. Aconteça o que acontecer, já não será possível voltar atrás. Mas o que temos por diante é um concentrado de incógnitas e perigos como porventura nunca enfrentámos neste século.

O extremar de posições nas várias frentes de combate - económico, político e militar - criou uma sufocante atmosfera de ansiedade e cepticismo sobre as soluções para evitar o pior. Ou seja: o cenário das soluções parece ter-se definitivamente esgotado.

Escrevo antes do desfecho da cimeira de Minsk sobre a Ucrânia e das reuniões do Eurogrupo e do Conselho Europeu sobre a Grécia, realizadas anteontem e ontem. Mas em ambos os casos não se esperavam compromissos que pudessem alimentar o optimismo.

No caso da Ucrânia, por causa da irredutibilidade de Putin na sua fuga em frente para anexar, de facto, o território dominado pelos separatistas pró-russos, entre Donetsk e a Crimeia (já formalmente anexada desde Março de 2014). No caso da Grécia, por causa da recusa terminante da Alemanha em aceitar as propostas do Governo de Atenas e impedir a bancarrota do país nas próximas semanas (tendo já no horizonte a sua previsível saída do euro - e da União Europeia).

A coincidência no tempo destas duas crises agrava o drama existencial em que se debate a Europa. Por um lado, acentuam-se a vulnerabilidade das suas fronteiras a Leste e a impotência para enfrentar o aventureirismo imperial de Putin. Por outro, crescem os riscos de desintegração da zona euro e da própria União se se verificar o efeito dominó provocado pela saída da Grécia, arrastando os outros países mais afectados pela doutrina orçamental germânica (esta semana, de forma aparentemente inesperada, Viena surgiu a apoiar algumas reivindicações de Atenas contra os dogmas de Berlim).

Perante Putin, não parece haver grandes alternativas. Armar as tropas ucranianas carentes de meios para fazer frente à ofensiva russa poderia provocar um agravamento descontrolado da escalada militar. Mas a cedência sistemática ao novo 'czar' e a aceitação dos avanços já realizados pelas forças separatistas, como forma de congelar o conflito, teria também o efeito perverso de estimular ainda mais a deriva imperial russa. Uma verdadeira quadratura do círculo, confirmada pelos resultados frustrantes das recentes missões apaziguadoras de Merkel e François Hollande.

Estamos, de facto, perante uma herança da guerra-fria, um capítulo da História que o Ocidente considerou apressadamente encerrado com a queda do Muro de Berlim.

Descurou-se, assim, o sobressalto nacionalista e revanchista encarnado por Putin e não se tiveram em devida conta as sucessivas ameaças lançadas por ele - pelo menos desde 2007 - contra um 'mundo unipolar' sob domínio americano.

Esse sobressalto foi, aliás, exacerbado pelo agravamento da crise económica russa, deixando o apoio popular a Putin cada vez mais dependente da estratégia propagandística e expansionista que ele empreendeu a partir de antigos territórios sob tutela soviética e de que a 'ocidentalização' da Ucrânia funcionou como derradeira pedra de toque.

Putin talvez não saiba exactamente onde pretende chegar com o seu aventureirismo, mas é nele que joga a sua sobrevivência e a miragem da grandeza russa. Interiorizou a mais tóxica das veleidades: não tem nada a perder. E é isso que deixa o Ocidente desarmado para enfrentá-lo.

Não por acaso, os sentimentos de orgulho nacionalista exacerbados por Putin trouxeram-lhe aliados fervorosos entre a extrema-direita europeia, como a Frente Nacional e outros movimentos eurocépticos que tenderão a expandir-se se a crise continuar, empurrando os eleitorados para fora do sistema político e da identificação com a Europa.

É também por isso que, colocado entre a espada e a parede, o actual Governo de Atenas poderá revelar-se sensível aos cantos de sereia de Moscovo - uma inclinação aliás favorecida pelos antigos laços religiosos e culturais entre a Rússia e a Grécia.

Enquanto a Europa se fechar cada vez mais dentro dos seus egoísmos nacionais ou se sentir desamparada para enfrentar os dogmas impostos pela lei do mais forte - ou seja, da Alemanha - não é apenas a segurança das suas fronteiras que estará em risco. Será, também, a sua própria sobrevivência como projecto político e económico.

É nessa Europa que Putin, apesar de acossado pelo colapso económico da Rússia, poderá introduzir novos cavalos de Tróia. Talvez acordemos tarde demais para esse perigo, à força de termos perdido a sensibilidade com um quotidiano de imagens de horror e indiferença como aquelas que nos chegam do Leste da Ucrânia.

Vicente Jorge Silva | 16/02/2015 22:52:08
SOL

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 32
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.forumotion.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum