Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

cais  tvi24  cmtv  

Últimos assuntos
Galeria


Agosto 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031 

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Criar cidades verdes

Ir em baixo

Criar cidades verdes

Mensagem por Admin em Ter Jul 29, 2014 9:05 pm


O futuro do clima mundial será decidido nas nossas cidades.

As zonas urbanas já representam até 70% as emissões globais de CO2  e essa proporção deverá aumentar nas próximas décadas, à medida que mais pessoas – mais alguns milhares de milhões – forem mudando para as cidades, com a urbanização a motivar o crescimento económico mundial. Do ponto de vista das alterações climáticas e do crescimento, o alargamento das cidades constitui um desafio e uma oportunidade.
 
A relação entre a expansão urbana e a protecção do clima é a infra-estrutura. Melhorar a infra-estrutura urbana pode fomentar o crescimento económico e ao mesmo tempo reduzir as emissões de dióxido de carbono. Mas de que forma é que as cidades mundiais pagarão por novas infra-estruturas mais verdes?
 
A boa notícia é que os presidentes das câmaras municipais – tanto nos países desenvolvidos como nos países em desenvolvimento – já não ficam à espera dos governos nacionais para celebrarem acordos globais relativos ao ambiente. Não só Copenhaga, Londres e Munique, mas também Joanesburgo, Rio de Janeiro e Xangai estão a delinear os seus próprios programas ambientais. Esses planos são ambiciosos em muitas das suas facetas – desde listas de pedidos a metas obrigatórias – mas a tendência para um modo de vida urbano sustentável é clara.
 
Se as cidades quiserem reduzir as suas pegadas de carbono, precisarão de grandes investimentos nas suas infra-estruturas. Três quartos das emissões de dióxido de carbono dos países riscos provêm de quatro tipos de infra-estrutura: geração de electricidade, edifícios residenciais e comerciais, transportes e gestão de resíduos. Por isso, qualquer programa urbano de sustentabilidade deve incluir uma transição para as energias renováveis e para as centrais termoeléctricas, mais autocarros e comboios públicos, veículos particulares menos poluentes, melhor isolamento dos escritórios, hospitais, apartamentos e outros edifícios, bem como uma melhor gestão dos resíduos e da água – a par com muitas outras coisas.
 
Os investimentos em infra-estrutura são também necessários para lidar com a contínua urbanização: em 2050, o número de pessoas a viver em zonas urbanas poderá corresponder à actual população mundial. E as novas infra-estruturas serão necessárias para manter o papel das cidades como motores de crescimento económico: as 600 principais cidades de todo o mundo são já responsáveis por mais de metade do PIB mundial, e as zonas urbanas contribuirão desproporcionadamente para a futura criação de riqueza.
 
Globalmente, serão precisos cerca de dois biliões de dólares por ano, nos próximos 20 anos, para manter as cidades mundiais como espaços habitáveis e para reduzir as suas emissões de carbono. De onde virá esse dinheiro?
 
Apenas algumas cidades são suficientemente ricas para melhorarem sozinhas as suas próprias infra-estruturas. A maioria das cidades – especialmente nos países desenvolvidos – não podem depender de mais transferências dos seus governos nacionais. A despesa pública em infra-estruturas caiu drasticamente na Europa e nos Estados Unidos desde a década de 1960; e, com os orçamentos públicos sob pressão, é pouco provável que esse investimento retome. Confrontadas com um crescente fosso a nível do investimento público em infra-estruturas, as cidades irão precisar de mais investimento privado.
 
Os bancos têm, tradicionalmente, financiado grande parte das despesas em infra-estruturas. No entanto, seis anos após o início da crise financeira, os bancos de muitos países estão ainda a tentar reparar os seus balanços, ao passo que os novos requisitos de capital e liquidez tornarão, no futuro, mais dispendioso para a banca financiar empréstimos de longo prazo.
 
Enquanto isso, os fundos de pensões, as companhias de seguros e outros investidores institucionais estão a investir cada vez mais em infra-estruturas. Ao contrário dos bancos, eles têm passivos de longo prazo, pelo que os retornos – previsíveis e de longo prazo – sobre os investimentos em infra-estruturas podem combinar bem. Num ambiente de taxas de juro em níveis extremamente baixos e de mercados de capitais em efervescência, as infra-estruturas parecem ser também uma alternativa atractiva e razoavelmente segura às acções e às obrigações, rendendo retornos que podem financiar as pensões das sociedades ocidentais em processo de envelhecimento.
 
Contudo, até agora, os investidores institucionais aplicaram quantias relativamente baixas nas infra-estruturas, em parte devido às deficiências no cenário global do investimento. A título de exemplo, alguns governos alteraram, retroactivamente, as suas políticas para as energias renováveis, o que tornou os investidores mais prudentes. Além disso, os novos requisitos de capital podem tornar bastante dispendioso – para as seguradoras – o investimento em infra-estruturas.
 
Além do mais, muitos investidores institucionais não dispõem ainda de conhecimentos periciais suficientes para se aventurarem nas infra-estruturas. E como as infra-estruturas não são ainda uma classe de activos claramente definida, muitas vezes é difícil para os investidores planearem, avaliarem e gerirem as suas carteiras nesta área.
 
Estes obstáculos aplicam-se a todos os investimentos em infra-estruturas. No entanto, a infra-estrutura urbana está em especial desvantagem. Para começar, muitos dirigentes municipais têm pouca experiência em lidar com investidores privados, o que pode tornar mais difícil concretizar parcerias frutíferas. Mais importante ainda: os projectos de infra-estruturas urbanas tendem a ser de pequena dimensão, dispersos e variados. Para a maioria dos investidores privados, o esforço necessário para encontrar, avaliar e gerir este tipo de projectos é muito maior do que o retorno que podem esperar, sendo por isso que os investidores institucionais frequentemente preferem projectos de maior dimensão, a que se acede mais facilmente, como parques eólicos, oleodutos ou auto-estradas.
 
Se quisermos que entre mais dinheiro privado nas infra-estruturas urbanas, a estrutura institucional tem de mudar. Muitas grandes cidades podem criar as suas próprias instituições para conjugarem projectos e investidores, tal como Chicago já fez através da sua Infrastructure Trust. Quanto ao resto, os governos devem criar instituições nacionais destinadas a apoiar investimentos urbanos sustentáveis em infra-estruturas.
 
Essas ditas ‘Plataformas de Cidades Verdes’ poderiam começar por providenciar serviços de consultadoria, combinando investidores e projectos, e funcionando como fóruns de partilha de conhecimentos. Estariam então bem posicionadas para agir na qualidade de agregadoras – embalando, padronizando e comercializando projectos urbanos sustentáveis em infra-estruturas. Mais tarde, poderiam angariar dinheiro no mercado de capitais e financiar infra-estruturas sustentáveis a par com outros investidores.
 
Se as barreiras ao investimento privado em infra-estruturas urbanas puderem ser superadas, i mundo beneficiará de menos emissões de dióxido de carbono, de um crescimento económico mais rápido e de poupanças-reforma mais saudáveis. É um diálogo que vale a pena fomentar.
 
Michael Heise é economista-chefe na Allianz SE.
 
Direitos de autor: Project Syndicate, 2014.
www.project-syndicate.org
Tradução: Carla Pedro

29 Julho 2014, 19:29 por Michael Heise
Negócios

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 31
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.forumotion.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum